quinta-feira, outubro 23, 2008

Onde andam as Bolsas de Estudo para acesso ao Ensino Superior?


De facto numa Câmara Municipal que se orgulha da sua acção social, existe uma flagrante omissão... se já existiram bolsas de estudo para Estudantes do Ensino Artístico, Trabalhadores da Autarquia e Formandos Santomenses, então porque razão não existe uma bolsa de Estudo para acesso ao Ensino Superior?



Se estiverem reunidos os pre-requisitos fundamentais:



- Residência do agregado familiar no Concelho

- Agregado familiar com capitação máxima mensal ilíquida de 300 euros, per capita

- Aproveitamento Escolar até ao fim do 12º Ano



Não vejo porque se deverá negar aos alunos carenciados, mas com potencial, a oportunidade de frequentarem um Curso Superior. E a Câmara Municipal do Seixal deve desempenhar o seu papel social, dando-lhes essa mesma oportunidade. É uma questão de igualdade e de justiça.

16 comentários:

Daniel Geraldes disse...

Essas bolsas devem andar no muro da antiga fabrica de lanificios ou então devem estar nas latas de grafiti, o ensino superior deve ser no entender do PCP para as elites como tanto lhe gostam de chamar, da maneira absurda como gastam os recursos do Seixal.

Em relação ao post concordo com tudo, mas acho que devido á importancia que tem um assunto como este na vida futura de uma pessoa, devia.se retirar completamente a captação maxima do rendimento familiar,

cumprimentos

Anónimo disse...

Boa ideia .

Pedro S. disse...

A questão é muito boa, seria interessante ver a CMS apresentar no orçamento uma verba para bolsas universitárias.
E veja-se, havendo dinheiro para um jornaleco propagandista, enfeitar rotundas em época de eleições, pintar muros privados para posterior vandalismo consentido, dar dinheiro para grafites, porque não haver para algo que pode realmente fazer a diferença?
Um jovem que ande numa faculdade em Lisboa, tem gastos fixos tais como, cerca de 1 000€ por ano em propinas, passes mensais que podem ascender ate aos 100€, assumindo que as refeições são feitas num refeitório social são mais 2.20€ diários para alimentação ( contado que apenas almoça na faculdade, o que em épocas de trabalhos e exames é muitas vezes acrescido de lanche/jantar ), acrescentando gastos em livros, fotocopias e impressões... há meses que os gastos facilmente ascendem a um salário mínimo, custos como estes são insustentáveis para muitas famílias, para mais, sendo o seixal um zona com graves problemas sociais e onde o nível de vida não é dos mais elevados, onde há muita gente a viver com serias dificuldades, qual será o numero de famílias que não pode mandar os filhos para a faculdade?

PSD ALMADA disse...

http://www.peticao.com.pt/acessibilidades-almada

Leiam, Assinem e Divulguem em Nome do Futuro de Almada!

Anónimo disse...

"O Prémio Sakharov 2008 para a liberdade de pensamento foi hoje atribuído ao dissidente chinês Hu Jia, apesar das pressões exercidas por Pequim sobre os eurodeputados no sentido de fazerem outra escolha." in Público

Parabéns. Mas outras interrogações se podem levantar. Quais foram e de onde vieram as pressões para não ser atribuído este prémio a Hu Jia? Terá sido da bancada comunista do parlamento europeu? Terão sido os empresários europeus sem escrúpulos que querem manter acima de tudo uma boa relação com a China.
Bem ajam pela coragem de atribuir a uma personalidade tão corajosa.

Marlene Pires disse...

Essa questão é muito relevante e oportuna. É importante que a CMS explique! Queria ainda, informar que aquele pseudo-blog comunista "Seixal Sim" não aceitou um comentário meu, o que denota de uma falta de sentido democrático... A verdade é que a ditura mora aqui ao lado.

Cumprimentos,

MP

Miguel disse...

Daniel Geraldes fiquei positivamente impressionado com a tua capacidade de argumentação.

Dizes que segundo o PCP o ensino superior é para as elites? Só prova que és muito verdinho na política ou então não fazes a mínima do país em que estás.

Podes acusar o PCP de muita coisa. Já vi laranjinhas a atacar o PCP por todos os lados que podem, mas acusar o PCP de defender um Ensino Público para as elites é a coisa mais estupidamente absurda que já vi. Não consegues encontrar um único documento em que o PCP defenda tal absurdo; mas podes encontrar milhentas posições da JCP a defender o ensino público, gratuito, de qualidade e para todos, não confinado apenas aos que podem suportar os elevados custos das propinas.

Agora uma deixa para pensares: quais os factores que fazem com que o ensino superior estea mais ao alcance de certas classes sociais - não só as elites, mas nessa tendência - do que outras? Várias respostas: o elevado valor das propinas; os baixos apoios sociais dos Serviços de Acção Social Univrsitários; o 2º ciclo com propinas elevadíssimas que veio com Bolonha; a dificuldade no alojamento.

Todos estes temas estão a ser constantemente abordados pela JCP: comunicados, manifestações, sugestões de alteração, tomadas de posição, apelos.

Já a JSD mexeu muito pouco nestes aspectos sociais, que aparentemente pouco lhes dizem. Nalguns casos, como a implantação de Bolonha com propinas elevadíssimas no 2º ciclo, foi até conivente.

Carla F. disse...

Tema pertinente!

Eu sou do Seixal e estudo na universidade do Algarve.
Posso dizer que, apesar de as minhas propinas não serem 1000€, mas 900€, tenho que pagar ainda renda de aproximadamente 90€, fora alimentação, livros e viagens a casa.

Vivo numa residência e algumas das minhas colegas têm bolsas da câmara municipal. E elas são de localidades como Alvor, Aljustrel, Loulé, entre outras.
Então no ano passado decidi ir ver na nossa CM. Pelo que me disseram para me dirigir à minha junta de freguesia (Arrentela) e na qual me disseram que essas bolsas derivam de uma verba dada pelo estado e que depois ou a CM ou JF (não percebi bem)decide onde aplicá-la e que eles tinham decidido aplicar nos tranportes escolares. Pelo que não há bolsas escolares.

Davide Ferreira disse...

Miguel, falaste muito mas sobre o tópico propriamente dito pouco disseste...

Concordas com a atribuição por parte da CMS de bolsas de acesso ao Ensino Superior? Quais os critérios de atribuição? Estes ou outros?

Acho que essas são as questões essencias sobre as quais nos deveriamos debruçar.

Cumprimentos.

Daniel Geraldes disse...

Caro Miguel,

primeiro que tudo obrigado pelas tuas declarações, mostra que te interessas pelo tema tanto como nós na JSD Seixal, em segundo como tambem deves ter percebido o meu comentario é puramente ironico e era uma critica á forma como este executivo gasta o dinheiro que é de todos(e só na brincadeira do Grafiti mais a publicação de uma moção aprovada unicamente pela CDU foram gastos 10 mil euros), mas mesmo assim se calhar o PCP acha mesmo que o ensino superior é para as elites,já que como poder autarquico e em 30 anos de gestão no Seixal nunca "financiaram" o ensino superior aos melhores quadros academicos do Seixal, promovendo claramente a diferença de classes que tanto se apregoam contra, mas num orçamento Concelhio que é de 100 milhões de euros se calhar criar uma bolsa de 50 mil euros anuais para os nossos jovens não fazia grande diferença no nosso orçamento Concelhio mas fazia uma grande diferença na vida e no orçamento de uma familia.

miguel disse...

Caro Daniel

Voltas a insinuar que o PCP alguma vez tenha tido posições políticas de favorecimento às elites, e vbolto a discordar. Também não acho que a iniciativa dos grafitis tenha sido "uma brincadeira".

Caro David

Sim, concordo que estas bolsas são importantes, devem ser distribuídas e são essenciais para muitas famílias. Sem prejuízo desta opinião, gosto de lembrar que estas bolsas serão sempre insuficientes para nivelar as grandes desigualdades que existem na frequência do ensino superior, decorrentes do elevado peso das propinas, a limitação do acesso a determinado nível de ensino por factores económicos e a degradação dos serviços sociais universitários.

Carla F. disse...

Mas por mais baixo que seja o valor dessas bolsas serão sempre uma ajuda. Uma bolsa de pelo menos 100€ já pagaria o passe de estudantes cuja faculdade é em Lisboa e moram na margem sul. Ou umas viagens a casa para quem estuda longe, ou até uma ajuda alimentar.

Uma vez que estão a cortar no valor das bolsas aos alunos nos serviços sociais das Universidades, onde até estudantes que residem em lares de acolhimento têm dificuldade em conseguir uma bolsa.

miguel disse...

carla f

Eu disse, ou sequer insinuei, que se deveria cortar nas bolsas pelo valor ser muito baixo?

Nunca usaria tal argumento (que por acaso é bastante recorrente do argumentário da direita).

De resto, no teu comentário limitas-te a corroborar comigo

Daniel Geraldes disse...

Viva Miguel,

uma curiosidade minha, mas concordas com a JSD Seixal quando nós achamos que é IMPERIOSO que a CM Seixal, crie uma bolsa para os alunos do Concelho???

Filipe de Arede Nunes disse...

Miguel,

Em primeiro lugar queremos agradecer a tua participação neste debate.

Em segundo lugar, devemos todos reconhecer que existem problemas múltiplos no que concerne ao acesso ao ensino superior.

Efectivamente, os serviços de acção social não funcionam devidamente o que cria dificuldades para muitos dos alunos que querem frequentar o ensino superior e que dessa forma não podem.

O que aqui procurámos chamar à atenção, foi para o dever que no nosso entender existe de as Câmaras Municipais contribuírem também para este esforço dentro das suas limitações, até porque não me parece que a responsabilidade, relativamente a esta matéria, caiba em primeiro lugar aos municípios, mas quando se vê Câmaras Municipais como a do Seixal gastarem valores exorbitantes com acções de propaganda (a titulo meramente exemplificativo) temos o direito e o dever de perguntar porque não gastam o dinheiro onde verdadeiramente é importante.

Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

miguel disse...

Caro Daniel e Filipe:

Como não gosto de me repetir principalmente quando as pessoas têm preguiça de ler os meus comentários, convido-vos a reler (ou ler) o segundo parágrafo do meu comentário da 12:57, até onde digo "sem prejuízo desta opinião...".

E como estou um pouco farto de conversas circulares, resumo assim: podem parecer estar muito preocupados com as bolsas que - e volto a repetir pela última vez - são importantes. Mas nos temas mais de fundo, que decidem se realmente existe uma política de igualdade de acesso e frequência ao ensino superior, a JSD não tem mexido uma palha nem mostrou mínimo interesse. Se querem saber quais os temas, releiam os meus comentários anteriores.