quarta-feira, novembro 25, 2009

Porque hoje é 25 de Novembro.



A democracia e a liberdade celebram-se hoje.

25 de Novembro

Hoje respira-se Liberdade.

terça-feira, novembro 24, 2009

Assim se vê quem realmente é a favor do Hospital do Seixal

Governo “quebra compromisso” com hospital do Seixal


Luís Rodrigues, deputado do PSD, acusa o actual Governo de “quebrar o compromisso” com os portugueses, a propósito da promessa de construção do novo hospital do Seixal. O deputado social-democrata exige do Governo “uma clarificação” pelo facto de o primeiro-ministro, José Sócrates, não ter referido “sequer a intenção de construção do hospital” durante o seu discurso de apresentação do programa do Governo, na Assembleia da República. “José Sócrates mencionou vários hospitais em construção e outros ainda a concretizar, não tendo referido o do Seixal”, reitera.


“O PSD tem vindo constantemente a denunciar o problema do Sistema Nacional de Saúde no distrito de Setúbal, nomeadamente a incapacidade de resposta do hospital Garcia de Orta para os cerca de 350 a 400 mil habitantes”, salienta. Assim, Luís Rodrigues considera “imperativa” a construção do novo hospital do Seixal, cujo processo diz ter passado por “avanços muito pequenos e, aparentemente, apenas assumidos por pressões políticas”.

Segundo Luís Rodrigues o processo, aprovado pelo ministro Correia de Campos, esteve parado “até à data de realização das eleições legislativas de 27 de Setembro”, tendo o Governo, “no final do mandato”, elaborado o programa funcional que não incluía internamento e urgências. O programa, “que não era razoável pois mais parecia um projecto de um grande centro de saúde”, foi depois alterado pela ministra da Saúde Ana Jorge, “após uma grande contestação pública e durante a pré-campanha para as eleições autárquicas e legislativas”.

Luís Rodrigues diz existir assim “uma grande contradição entre o que foi assumido pelo anterior Governo, com o mesmo primeiro-ministro e a mesma ministra da Saúde”. O deputado social-democrata destaca que a promessa teve como base um acordo com a Câmara Municipal do Seixal, tendo sido avançada a data de 2012 para a conclusão do hospital. Luís Rodrigues salienta que, para a conclusão acontecer nesse ano, “o concurso terá que ser lançado em 2009”, data que “ ainda é viável, mas se houver uma nova terá necessariamente que ser também esclarecida”.

De acordo com o deputado, o PSD pretende assim “que o governo se justifique perante a omissão do primeiro-ministro e clarifique questões como as do modelo de construção e gestão definidos para o hospital”. Ainda assim, preferiu não comentar se o esquecimento do primeiro-ministro terá sido mero lapso ou se terá tido outra intenção. Até ao momento, a Câmara Municipal do Seixal não se pronunciou sobre o assunto.

Mais impostos: importa-se de repetir?..cronica do Pedro Santos Guerreiro

Há um ano, o País agitava-se: é melhor mais investimento público ou menos impostos? O secular dilema parece resolvido: Portugal prepara-se para fazer menos investimento público e cobrar mais impostos. Hã?Ahã. Aumento de impostos por restrição orçamental. Redução de investimento público por constrição política. Mas a matemática falha: menos por menos não dá mais.Os impostos não vão subir, promete Teixeira dos Santos. Mas hão-de subir, avisa Constâncio. Ambos dizem verdade, mas apenas um não engana. Défice de hoje é impostos amanhã. Tem-no sido sempre.Era inevitável. A "revelação" das novas previsões do défice, da dívida pública, do limite de endividamento só surpreende quem não lê jornais. Nesta coluna, como noutras, escribas foram sendo chamados de bota-abaixistas sempre que faziam contas. Sempre que apontavam o dedo para o rei nu. Sempre que se indignavam com a irresponsável ausência do tema Finanças Públicas das campanhas eleitorais.Portugal terá este ano um dos maiores défices desde os anos 80. E escala a maior dívida pública de sempre. Só em juros, o País paga este ano mais de cinco mil milhões de euros. Mais do que o Estado investe. Só em juros, sem contar com amortização da dívida. E vai piorar: porque o "stock" de dívida continua a aumentar, subindo quase 25 pontos percentuais do PIB em três anos; e porque as taxas de juro subirão. Como se paga isto? Paga-se impostos. Não para investir. Para pagar dívidas. As receitas podem voltar a subir com a economia. Mas quanto tempo demorará? Elas caem mais de 13% este ano. Vai ser preciso subir 20% para chegar ao mesmo nível.A culpa é da crise, claro. Mas também daqueles que a não quiseram ver. Incluindo os que, no Governo, apresentaram, há um ano, o Orçamento do Estado mais expansionista da década: um Estado generoso, que distribuía benefícios por empresas, bancos, funcionários públicos, famílias. E, jurava-se, o mesmo défice.E agora? Agora, os senhores deputados deviam estar concentrados em tirar-nos disto. Preferem estar focados em tirar de lá o PS. É mais fácil mandar um Governo abaixo que pôr uma economia em cima. A paralisia prometida pela Oposição tem esse fito.Os devaneios acabaram. Durão prometera baixar impostos de supetão (e aumentou impostos), Sócrates propusera investimento tecnológico (e aumentou impostos). Sócrates propõe agora fazer investimento (e aumentará impostos). Não há mais choques chiques, há um cheque para as Obras Públicas. Eis toda a política económica.Não bastava os espanhóis virem cá mostrar quem manda e informarem-nos da suspensão unilateral da linha de TGV Porto-Vigo. Também a Oposição promete chumbar o que puder e complicar o que não puder. A privatização da ANA e o aeroporto. As estradas. As portagens nas SCUT. A Alta Velocidade. O terminal de contentores.A instabilidade da maioria parlamentar e a bomba-relógio das escutas do "Face Oculta" dão à Oposição a expectativa de queda do Governo. E ao Governo a oportunidade de cair para melhor. E enquanto os políticos olham com paus na mão para o cântaro suspenso cheio de doces, os governados esvaziam a paciência, os bolsos - e a esperança.Vamos repetindo os aumentos de impostos esperando que, um dia, o desenvolvimento económico trate do problema. Como às crianças, dizemos-lhe "cresce e aparece". E nada acontece.

sábado, novembro 21, 2009

Morreu Jorge Ferreira




Jorge Ferreira, antigo líder parlamentar do CDS-PP e fundador do PND, faleceu esta manhã, aos 48 anos, vítima de doença prolongada.
Jorge Ferreira era advogado de profissão, tendo a par dessa actividade sido líder parlamentar do CDS-PP entre 1996 e 1998. Durante a liderança de Manuel Monteiro no partido foi ainda vice-presidente dos democratas-cristãos, o que prolonga uma ligação com o mesmo, que vinha já desde a Juventude Centrista e culmina em Novembro de 2003 com a fundação do PND (Partido da Nova Democracia).
A política nacional está de luto.

As mais sinceras e sentidas condolências da JSD SEIXAL para a sua familia.

sexta-feira, novembro 20, 2009

TNT




Chama-se trinitrotolueno e encontra-se nalguns furos de captação de água no Seixal.

quinta-feira, novembro 19, 2009

Porque já é habito...

Tal como o a CDU Seixal afirma:" A Insegurança no Seixal é um mito"


Detidos dois membros de um gang por suspeitas de roubo, sequestro e violação

A Polícia Judiciária deteve dois jovens, de 18 e 19 anos, suspeitos de pertencerem a um gang acusado da prática de vários crimes de roubo, sequestro e violação.

A área de actuação do gang era a margem Sul do Tejo e o modus operandi, bastante elaborado.

Primeiro, simulavam um acidente rodoviário, provocando pequenos embates traseiros em viaturas transportando vítimas do sexo feminino.

Depois, «ao saírem das viaturas, as vítimas eram violentamente abordadas e transportadas para locais ermos e obrigadas a divulgar os códigos dos cartões de débito».

Além de levantarem o dinheiro das vítimas, os membros deste gang violavam algumas delas.

Segundo a Polícia Judiciária, dos restantes membros do gang, «dois encontram-se já em prisão preventiva e outro, em razão da idade, está sob jurisdição do regime tutelar de menores».

Quanto aos dois agora detidos, vão ser presentes no Tribunal do Seixal para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coacção tidas por adequadas.

terça-feira, novembro 17, 2009

O tema de sempre

Admito, podem chamar o que quiserem, falar mal dos “jotinhas” , dizer que não temos noção da realidade e não conhecemos o concelho, enfim a quantidade de disparates que se ouve por aí e que todos nós sabemos que valem tanto quanto os depósitos no BPP, mas no fim a razão…essa continua do lado da JSD do Seixal.

Depois da noticia dos desacatos no Bairro da Jamaica, agora temos mais um “mito” da insegurança no concelho:

“Perseguição da PSP fere polícias e bebé

Os três agentes já tinham sido chamados a travar dois tiroteios de gangs rivais no Seixal, pelas 21h15 de domingo. Um na Arrentela; logo a seguir na avenida Marcos Portugal, Amora. E, neste último, por entre a confusão, uma carrinha BMW escapou a alta velocidade com um grupo armado em direcção ao Seixal. Logo atrás, o carro-patrulha da Divisão da Torre da Marinha da PSP no seu encalço – até que se envolveu num acidente com quatro automóveis, provocando cinco feridos, entre eles um bebé que seguia de carro com a mãe.

O combate à noite de violência na Margem Sul acabou assim em plena avenida Afonso Costa, também na Amora. A meio da perseguição, a condutora de um Opel Corsa não se apercebeu da marcha de urgência accionada pela PSP e virou à esquerda num cruzamento "sem assinalar a mudança de direcção", garante fonte policial.

O carro-patrulha bateu-lhe, o condutor da PSP perdeu o controlo, despistou-se e seguiu-se um autêntico rasto de destruição. Um poste de electricidade foi arrancado e caiu sobre o passeio. Mais três carros que estavam estacionados foram atingidos pelo carro-patrulha desgovernado. Resultado: os três agentes e a outra condutora tiveram de ser transferidos para o Hospital Garcia de Orta, em Almada – enquanto um bebé de meses, filho da condutora, foi assistido no local, encontrando-se bem.

As outras quatro vítimas sofreram escoriações na cabeça e nos membros, mas já tiveram alta. Enquanto isso, o grupo armado na carrinha BMW escapou. Ao que o CM apurou, durante o dia de ontem não foram feitas quaisquer detenções.”

Numa época em que já ninguem acredita na classe politica, numa época que desde a gestão municpal ao governo não há Homens que inspirem uma região, não há quem inspire uma nação. Ouve-se falar que já não há desígnio nacional, mas também não é menos verdade que não há quem valha a pena acreditar. Temos Primeiros-Ministros, Ministros, Secretários de estado, deputados, Prés. De Câmara, sem visão, sem vontade e com agendas próprias.

Numa época em que Portugal está numa abstinência de valores e de ideais motivados principalmente pela descredibilização de quem representa esses ideais, é importa saber que nem sempre foi assim, e que apesar de tudo, há esperança numa nova geração capaz de por os interesses públicos, os interesses da nação à frente dos interesses próprios. Uma geração competente e capaz, uma geração que volte a fazer Portugal acreditar.

Até esse dia, e tendo em conta que ontem, dia 16 de Novembro foi o aniversário da sua morte, penso que faz todo o sentido, mostrar aquele que na minha opinião foi uma das mais importantes figuras na História de Portugal num passado recente.

“Com grande carácter, vontade forte e ousadia extrema, Duarte Pacheco revoluciona Portugal nas mais diversas áreas: obras públicas, transportes e comunicações, assistência, ensino e cultura. Marca de forma decisiva “não apenas a imagem da Lisboa do seu tempo mas também a do País”, refere o deputado João Soares, no livro “Evocar Duarte Pacheco no Cinquentenário da Sua Morte”. “A sua personalidade e espírito empreendedor foram marcados por uma vontade de modernidade, em contradição com as circunstâncias da época em que viveu”, acrescenta.

Duarte Pacheco nasceu em Loulé em 19 de Abril de 1900. Aos 14 anos já tinha perdido a mãe e o pai, ficando sob a tutela do irmão mais velho, Humberto Pacheco. Ao longo dos estudos demonstra sempre elevado nível de intelectualidade e em 1917 ingressa no recém-criado Instituto Superior Técnico (IST). Seis anos depois termina o curso de Engenharia Electrotécnica com a classificação de 19 valores. Pouco depois, é convidado para professor de Matemáticas Gerais no Instituto e em 1927 é nomeado director do IST. No ano seguinte foi convidado para ministro das Obras Públicas. Abandona o governo em 1936 mas voltará em 1938 a ocupar cargos políticos, aceitando ser presidente da Câmara Municipal de Lisboa, seguindo-se o regresso ao ministério das Obras Públicas nesse mesmo ano.

Duarte Pacheco debateu-se contra forças insondáveis e, como um velho urso, soube fintar muito bem os constrangimentos do regime. Na paz sonolenta de então, conseguiu deixar a sua marca. “É um congregador”, afirma o arquitecto José Manuel Fernandes. “É um ministro que se submete ao governo salazarista, mas que consegue uma liberdade de acção e inovação extraordinárias.” Propõe e faz. “Reorganiza o urbanismo de Lisboa, que estava desorientado, avança com auto-estradas, cidades universitárias, grandes parques da cidade, e consegue seduzir e motivar os arquitectos para fazerem o melhor possível.” Pacheco tinha algo de utópico, mas soube reunir à sua volta um núcleo de prestigiados arquitectos e engenheiros que deram forma aos projectos a que se foi dedicando.

Outro mérito de Duarte Pacheco foi “comprar terrenos para fazer Alvalade, ainda hoje considerado um dos melhores espelhos urbanísticos de Lisboa”, lembra o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles. Concretiza uma “obra pública” através do investimento em grandes espaços de território. “Hoje não se faz isso. Procura-se fazer um ‘puzzle’ de investimentos, cada um financeiramente rentável, sem ligação entre eles. E, depois, temos o caos total nas nossas cidades periféricas, o afogar da zona histórica e o abandono da agricultura.”

Portugal deve-lhe a modernização dos serviços dos correios e telecomunicações e a revolução do sistema rodoviário. Duarte Pacheco “soube aproveitar o poder de que foi investido para servir o seu país”, escreve Maria de Assunção Júdice, no livro “Evocar Duarte Pacheco no Cinquentenário da Sua Morte”.

Foi o impulsionador do grande salto qualitativo da engenharia portuguesa. O Aeroporto de Lisboa, a renovação do IST e o Parque de Monsanto também fazem dele uma referência obrigatória. “O Parque, que é hoje o pulmão da cidade de Lisboa, é concepção, execução e paixão de Duarte Pacheco”, garante João Soares.

Devoto ao trabalho, o governante tinha a missão de cuidar da cidade com dedicação, amor e disponibilidade permanente. Mas “o que resta da sua acção é mais do que isso: é o exemplo de como a modernidade é sempre factor de progresso e de como a qualidade não é incompatível com o viver na cidade”, sintetiza João Soares, no mesmo livro. Duarte Pacheco morreu num acidente de viação em 1943.”

É a diferença entre quem alia a competência ao orgulho de servir o País, e exemplos como os que têm vindo a ser denunciados neste e em muitos outros blogues.

O País está farto, está farto de face ocultas, de freeports, de BPN’s , BPP’s, de escândalos de pedofilia, de cursos tirados ao domingo, de amigos que são nomeados para isto e para aquilo, de urbanismo desenfreado, câmaras mal geridas, de casos Felgueiras, de apitos e sacos de todas as cores, formas e feitios, o País está farto… O País está farto que o façam passar por parvo..porque muito embora maior parte das vezes não se diga nada…a verdade é que tudo é notado e fica registado.

segunda-feira, novembro 16, 2009

Para uma Câmara Comunista


até que não está nada mal. Até vamos ter direito a um campo de golfe em Fernão Ferro, e uns candidatos a "caddies" pelo Concelho é o que não vai faltar. Mas o que eu gostava mesmo,era que o estudo de impacto ambiental estivesse mesmo disponível e à vista de todos, e não nestes subterfúgios de disponível no site da CCDR LVT. (Comissão coordenação de desenvolvimento regional de Lisboa e Vale do Tejo).

Se alguém o achar, diga-me onde é que ele está disponível que eu não o encontrei. Agradecido.

sábado, novembro 14, 2009

E a violência no concelho continua...

"Seixal: Três detidos por disparos contra a PSP

A divisão da PSP do Seixal deteve, na manhã de sábado, três pessoas, por disparos efectuados contra agentes daquela força de segurança.

De acordo com a subintendente Isabel Canelas, citada pela edição online do ‘i’, os tiros contra os polícias da Equipa de Intervenção Rápida (EIR) do Seixal foram disparados quando os agentes prestavam auxílio a dois cidadãos feridos com armas de fogo.

Esse tinha sido, aliás, o motivo da deslocação dos agentes da EIR ao bairro da Jamaica, no Seixal.

Quando chegaram ao local, os agentes da EIR encontraram duas pessoas baleadas no ombro e nas pernas, tendo chamado os meios de socorro para os transportar ao hospital.

No entanto, a acção dos polícias foi interrompida por tiros de armas de fogo, disparados por um grupo de cerca de 20 a 30 indivíduos que se encontravam num prédio junto ao local.

Para repor a normalidade, a EIR teve que utilizar armas de ordem pública e fez disparos de shotgun.

Foi ainda pedido um reforço à divisão da PSP de Almada e à Unidade Especial de Polícia através do Corpo de Intervenção, Grupo de Operações Especiais e Grupo Operacional de Cinotecnia.
Além dos três detidos, duas outras pessoas foram identificadas por estarem envolvidas nos desacatos e por terem injuriado os agentes.

Segundo Isabel Canelas, já foi «reposta a ordem pública» no bairro."

Gostava de saber o que os comunistas têm a dizer desta situação, tendo em conta que para eles isto nada existe, sendo obra dos jornais capitalistas! E já agora, tinha o prazer de saber o que a candidata do BE Almerinda Bento tem a dizer sobre o ocorrido no bairro "pacato e com gente calma"!

quinta-feira, novembro 12, 2009

A CDU Seixal e o Ensino

Ranking Escolas Secundárias 2009



305| Escola Secundária Alfredo dos Reis. Silveira

363| Escola Secundária João de Barros

445| Escola Secundária Manuel Cargaleiro

508| Escola Secundária da Amora

530| Escola Secundária José Afonso

Foi com tristeza que ao ver a lista do ranking das escolas secundárias em 2009, dei por mim, mais uma vez, a encontrar as escolas do concelho em lugares pouco prestigiantes.

Este tema é sensível. Sei que os valores obtidos pelas escolas do concelho não se devem à falta de capacidades dos alunos do concelho, não acredito que seja pela falta de qualidade do corpo docente, nem pela falta de infra-estruturas afectas ao ensino.

Existe na minha óptica, não uma causa, mas sim um conjunto de factores que interligados resultam no desfasamento entre a qualidade de ensino que se aspira para o concelho e os resultados reais. (Antes de mais, sei admitir que estes valores estão minorados uma vez que existe uma grande quantidade de alunos “externos” a realizar provas e consequentemente a fazer baixar as médias das escolas todos os anos, não obstante, também as outras escolas os têm e como tal, a posição relativa entre elas não iria ser alterada)

Passarei a enunciar alguns dos factores que acho pertinentes para explicar estes resultados: (MAIS)

segunda-feira, novembro 09, 2009

O fim do comunismo



O início do fim do comunismo na Europa, faz hoje 20 anos. Este acontecimento ainda não chegou ao nosso concelho...

quinta-feira, novembro 05, 2009

XVII Festa da Gastronomia do Seixal

“De 15 de Outubro a 30 de Novembro, os restaurantes do Seixal vão competir entre si para criar a melhor entrada, o melhor prato principal, a melhor sobremesa, o melhor prato tradicional, o melhor serviço e, como não podia deixar de ser, o melhor restaurante. Quem fica a ganhar são os visitantes que deixem os seus palatos navegar pelos estabelecimentos aderentes à XVII Festa da Gastronomia do Seixal.

São cerca de vinte restaurantes, cerca de vinte ementas diferentes a degustar. O júri é composto por chefs e entendidos como Celeste Cavaleiro e Irene Gonçalves, um representante da Associação de Comércio e Serviços do Distrito de Setúbal e outro da Câmara Municipal do Seixal. Mas os munícipes também têm uma palavra a dizer. São eles que atribuem o Prémio Munícipe.

A iniciativa oferece ainda workshops de culinária: Cozinha com Paladares no Masculino, para futuros donos de casa, e Mini-Chefs, para crianças.

Consulte a listagem dos restaurantes participantes, bem como as receitas que cada um apresenta a concurso, no site da Câmara Municipal do Seixal.”

Uma iniciativa interessante embora com uma divulgação medíocre, espero que seja capaz de atrair alguns curiosos ao Seixal


terça-feira, novembro 03, 2009

Tratado de Lisboa aprovado




Ao completar a ratificação do Tratado de Lisboa por parte da República Checa, Vaclav Klaus remove a última barreira à sua entrada em vigor. Após 1 ano e meio e várias presidências depois, o Tratado irá ser aplicado a partir de 1 de Dezembro.

Ver mais aqui e aqui.

segunda-feira, novembro 02, 2009

Não me vou pronunciar

sobre o que se passa em Fernão Ferro, mas é simpático ver a CDU e os seus partidários aflitos. Tambem folgo em ver que, mais do que os Partidos, as gentes da terra estão mesmo a defender Fernão Ferro, que a política fosse sempre assim.