terça-feira, novembro 24, 2009

Assim se vê quem realmente é a favor do Hospital do Seixal

Governo “quebra compromisso” com hospital do Seixal


Luís Rodrigues, deputado do PSD, acusa o actual Governo de “quebrar o compromisso” com os portugueses, a propósito da promessa de construção do novo hospital do Seixal. O deputado social-democrata exige do Governo “uma clarificação” pelo facto de o primeiro-ministro, José Sócrates, não ter referido “sequer a intenção de construção do hospital” durante o seu discurso de apresentação do programa do Governo, na Assembleia da República. “José Sócrates mencionou vários hospitais em construção e outros ainda a concretizar, não tendo referido o do Seixal”, reitera.


“O PSD tem vindo constantemente a denunciar o problema do Sistema Nacional de Saúde no distrito de Setúbal, nomeadamente a incapacidade de resposta do hospital Garcia de Orta para os cerca de 350 a 400 mil habitantes”, salienta. Assim, Luís Rodrigues considera “imperativa” a construção do novo hospital do Seixal, cujo processo diz ter passado por “avanços muito pequenos e, aparentemente, apenas assumidos por pressões políticas”.

Segundo Luís Rodrigues o processo, aprovado pelo ministro Correia de Campos, esteve parado “até à data de realização das eleições legislativas de 27 de Setembro”, tendo o Governo, “no final do mandato”, elaborado o programa funcional que não incluía internamento e urgências. O programa, “que não era razoável pois mais parecia um projecto de um grande centro de saúde”, foi depois alterado pela ministra da Saúde Ana Jorge, “após uma grande contestação pública e durante a pré-campanha para as eleições autárquicas e legislativas”.

Luís Rodrigues diz existir assim “uma grande contradição entre o que foi assumido pelo anterior Governo, com o mesmo primeiro-ministro e a mesma ministra da Saúde”. O deputado social-democrata destaca que a promessa teve como base um acordo com a Câmara Municipal do Seixal, tendo sido avançada a data de 2012 para a conclusão do hospital. Luís Rodrigues salienta que, para a conclusão acontecer nesse ano, “o concurso terá que ser lançado em 2009”, data que “ ainda é viável, mas se houver uma nova terá necessariamente que ser também esclarecida”.

De acordo com o deputado, o PSD pretende assim “que o governo se justifique perante a omissão do primeiro-ministro e clarifique questões como as do modelo de construção e gestão definidos para o hospital”. Ainda assim, preferiu não comentar se o esquecimento do primeiro-ministro terá sido mero lapso ou se terá tido outra intenção. Até ao momento, a Câmara Municipal do Seixal não se pronunciou sobre o assunto.

Sem comentários: