segunda-feira, maio 19, 2008

Jovens qualificados em risco de viver pior que os pais

Achei bastante pertinente esta noticia da edição de hoje do diário de noticias e que nos leva, a nós jovens, a reflectir sobre o nosso futuro e o do nosso país. Passo a citar a noticia:
"Têm entre 30 e 35 anos de idade, formação superior, pós-graduações e mestrados, mas ganham entre 500 e 800 euros e estão a recibos verdes ou com contratos a prazo. Este é o retrato de uma geração - a quem já chamam "geração 500 euros" - que não encontra um lugar ao sol no mercado de trabalho e continua a depender dos pais ou a ter mais do que um emprego para conseguir ter autonomia.
É uma geração que, apesar de mais qualificada, arrisca-se a viver pior do que os pais. Ter filhos ou comprar casa são decisões em muitos casos adiadas até que venham dias melhores. Uns mantêm-se assim por necessidade e enquanto a sorte não espreita. Outros decidiram arriscar, bateram com a porta e criaram o seu próprio emprego. Há quem equacione deixar o país."

9 comentários:

Daniel Geraldes disse...

É verdade João, eu não a esta geração 500 euros, nem geração rasca, mas antes uma geração á rasca.
Por exemplo, e a nivel local podia ser criado um centro de empreendedorismo pela CM Seixal, mas descobria no outro dia enquanto lia o intragavel jornal Avante, que os comunistas ideologicamente são contra o empreendedorismo num concelho em que grande parte da população é afectada pelo desemprego, mas como sabes nós estamos a preparar uma resposta a este executivo primitivo de betão.

outsider disse...

Concordo que os tempos estão difíceis. Mas não tenhamos ilusões, as crises são cíclicas e os nossos pais passaram também por algo semelhante.
Soluções precisam-se, e de preferência novas ! Poupem-nos o discurso do empreendedorismo, especialmente daquele que adora pagar 500 €/mês para melhorar a performance da economia.

Convém é irmos pensando pela nossa cabeça, e não nos deixarmos embalar por discursos "cozinhados" por aqueles que normalmente fazem parte do problema.

Saudações democráticas e Parabéns à JSD pelo excelente trabalho no combate político que tem aqui feito no Seixal.

Paulo Edson Cunha disse...

Arrisca-se?
Já vive, meu caro. Infelizmente, na maior parte dos casos.

Querem saber o que a Câmara respondeu ao último requerimento do PSD/Seixal? clique na Revolta das Laranjas, aqui:
http://pauloedsonc.blogspot.com/2008/05/psd-seixal-pretende-ir-visitar.html
E dê o seu contributo.

Marlene Pires disse...

Eu incluo.me nesse grupo dos 500€ a 800€.. Fala-se muito em criar cursos e criaram as novas oportunidades, mas no que diz respeito ao mercado de trabalho o que se tem feito é zero.

Carla disse...

Ir trabalhar para o estrangeiro... talvez num futuro próximo.

Marlene Pires disse...

Isso não deixa de ser uma hipótese...

Daniel Geraldes disse...

Se for para Londres, digam-me que eu vou no primeiro low cost que houver :)

Carla disse...

coincidência... é para onde eu penso ir, caso não arranje emprego em Portugal. Tinha uma péssima ideia de Londres mas quando lá fui fiquei fascinada.

Marlene Pires disse...

Daniel... se o low cost começa a ter muitos clientes, o gov é bem capaz de arranjar taxas e inventar impostos para não concorrerem com a Tap!