domingo, julho 06, 2008

Vamos ser todos Liberais

O Partido Socialista, esta a entrar num fase de libertinagem, talvez seja por querer imitar o Bloco de Esquerda, e desviar o país dos assuntos que realmente interessam ganhando assim tempo de antena com parvoíces.
Após ter apresentado o "Divorcio na Hora", e em vez de apresentar soluções que fortalecessem a estrutura familiar tal como a conhecemos, agora vem com a treta de criar casamentos entre os homosexuais, criando assim um ponto de ruptura com as declarações dadas por a Dra. Manuela Ferreira Leite no programa da Constança Cunha e Sá.

Agora mais uma vez á boa maneira socialista vem com a ideia de criar casamentos entre os homosexuais, o casamento que é uma tradição milenar que provem da Igreja Católica e não dos socialismos bacocos e extremistas.
E como adiantado mental que as vezes conseguir ser, já estou a adivinhar a discussão se os homosexuais poderão adpotar crianças e temos uma bola de neve criada, para todas estas tendências.

Eu que nestas coisas até sou um VANGUARDISTA, faço a pergunta:

Porque não aprovar uma lei que dê a oportunidade de criar casamentos poligâmicos????

4 comentários:

Nuno Gonçalo Poças disse...

É o desvirtuamento de uma sociedade que, apesar de tudo, ainda mantem alguns valores. Acabar com eles é aquilo a que estas estrelas chamam de "progresso".

Eu já nem sei que rumo estamos a tomar. E sobretudo que futuro queremos para os nossos filhos. De divórcio simplex à transfiguração do casamento, passando pela irresponsabilidade que é a IVG, tudo parece caminhar alegremente e a trote para o abismo.

Mas se calhar sou só eu que sou pessimista e ultramontano... É a vida!

Filipe de Arede Nunes disse...

Dani,

Não creio que o casamento provenha da Igreja Católica!

Seja como for, e sobre este assunto, eu acho, efectivamente, que o casamento é o nome que é dado à união entre o homem e a mulher, pelo que se se quiser legislar para adoptar um instituto semelhante à união entre pessoas do mesmo sexo - o que para mim é indiferente - chamem-lhe qualquer coisa, mas não casamento.

Ademais, há um principio no Direito que diz que se deve tratar de forma igual o que é igual e diferente o que é diferente, na medida dessa diferença. Parece-me óbvio que a união de pessoas do mesmo sexo não é igual à união de um homem e uma mulher.

Quanto ao divórcio, o que aconteceu agora foi o fim da culpa para o divórcio.

Apesar de tudo, confesso que gostaria que a lei fosse mais longe e que se legislasse no sentido do divórcio a pedido. O casamento, apesar de ser um contrato atípico é um contrato. Não consigo compreender porque se há-de manter um vínculo entre duas pessoas, quando uma delas já não o deseja.

Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Nuno Gonçalo Poças disse...

Filipe,

o problema com a "desvinculação matrimonial" simplificada não pode ser resumido a tão pouco. Estão em causa padrões sociais, é a estabilidade das famílias que está em causa. E com isto, transformamos o casamento num mero namoro com carácter formal e solene.

Sobre isto:

http://o-progresso.blogspot.com/2008/03/divrcio-litigioso.html

Daniel Geraldes disse...

Bem no site da JS Seixal, esta lá uma das propostas de candidatura do Duarte Cordeiro, a Secretario Geral da JS, e o menino de 29 anos ainda vai mais longe que esta nossa discussão, o rapazola propõe mesmo a adopção de crianças por casais homosexuais e outros afins.

Bem esta JS não tem nada a ver com aquela JS que aqui á tempos exigiu que o referendo á constituição europeia fosse referendado.