quinta-feira, fevereiro 21, 2008

Pergunta e Resposta

Pergunta: Ter-se-á o Ministro do Ambiente, Nunes Correia, precipitado quando acusou as autarquias de Setúbal e Almada de serem as responsáveis pelas cheias desta semana?







Resposta:A inexperiência política contribuiu para que o “sacudir da água do capote” fosse a primeira reacção de um Ministro que tem primado pela inexistência.
O mau ordenamento do território, as construções legais e ilegais em leitos de cheia, a má conservação das infraestruturas e a impermeabilização dos solos, são factores que agravam exponencialmente as consequências destas intempéries.
No Distrito de Setúbal, os municípios, lideradas pelo PCP e pelo PS, estão na lista dos primeiros responsáveis pelo desordenamento do território.
O Estado, que aprova construções onde não deve ou não actua quando deve, embargando e demolindo se necessário, é o principal responsável
Que moral política tem este Ministro para acusar as Câmaras Municipais, quando é ele que tem aprovado diversos projectos na REN, RAN e em outras áreas sensíveis em termos ambientais?



A JSD Seixal agradece o texto disponibilizado pelo Deputado Luís Rodrigues sobre esta matéria, a publicar no jornal Sem Mais da semana que vem.

4 comentários:

Filipe de Arede Nunes disse...

Concordo apenas em parte com as palavras do Deputado Luís Rodrigues.
Embora a lei - em matéria de regimes jurídicos da RAN e REN - seja clara quanto às competências governamentais relativamente a esta matéria, a verdade é que o ordenamento do território, nomeadamente no que se refere aos instrumentos de planeamento - veja-se os PDM, PP, PU - são da responsabilidade dos municipios. A betonização dos solos, que impede a infintração das águas nos solos, é um dos principais factores no que se refere às inundações. Não creio, que o Sr. Ministro tivesse atirado assim tanto ao lado.
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Velas do Tejo disse...

Sobre património: peço a vossa atenção para o último artigo do blogue Baía do Seixal com link para o último trabalho da Antena 1 sobre o estaleiro da quinta da Fidalga e análise do discurso do vereador Jorge Silva.

Da audição deste brilhante trabalho jornalístico de destacar as qualidade das intervenções da DrªCatarina Tavares, Drº Paulo Edson Cunha, Drº Samuel Cruz e as afirmações do vereador Jorge Silva.

mariodasilva disse...

Dá-se o caso de que, no fim, quem aprova as negociatas dos PDMs é mesmo o Governo Central e o resto são tretas.

Aqui não há virgens, companheiros.

Anónimo disse...

Se calhar o próprio PSD seixal vai ter de rever certas posições pouco informadas que toma sobre os planos de pormenor... e atenção ao plano de pormenor da torre da marinha (fábrica de lanificios) que preve a cosntrução em leito de cheia, inclusive em nível abaixo do nível da água em preia-mar... para não mencionar que ten uma ocupação monstruosa para aquela zona que praticamente é a entrada no concelho do Seixal... preve-se mais de 1500 automóveis só para moradores!!