quinta-feira, março 06, 2008

E no Seixal?


Muito temos ouvido falar nos últimos dias sobre a contestação dos professores às novas regras de avaliação da classe docente.
Também estamos em desacordo, não com a necessidade de avaliação em si – porque com essa não poderíamos concordar mais – mas com os critérios que devem ser tidos em consideração para a valoração da classificação final a atribuir a cada professor, em particular com os previstos no artigo 9.º do Decreto Regulamentar 2/2008.
O que mais estranho no Seixal, é o facto da enorme docente escolar do concelho não ter sido ainda capaz de ilustrar o seu descontentamento – e esse mau estar grassa amiudadamente entre a comunidade docente do concelho do Seixal – da mesma forma que tem sido feito um pouco por todo o país.
Será que o Seixal é um deserto para a consciência cívica? É que para além da grande manifestação em prol do Hospital, parece ser difícil que nesta terra as pessoas se juntem por um qualquer motivo…
A ilustrar o que aqui dizemos estão os recentes atentados patrimoniais e ambientais – como são o exemplo da piscicultura no Sapal de Corroios; a destruição do estaleiro da Quinta da Fidalga; o antigo parque técnico da CMS no Fogueteiro – no qual a população pareceu não mostrar o mais pequeno interesse…
Com a falta de iniciativa de todos, o que será que poderemos esperar do futuro?

2 comentários:

Velas do Tejo disse...

São 33 anos a estupidificar um povo... reconheço que é difícil competir com isso!

Anónimo disse...

lamneto informá-lo à posteriori mas, mais vale tarde do que nunca, e o nosso concelho em termos de manifestações de desagrado dos professores já foi hj dia 6/03/08 à noite junto do fórum...
e atenção não se trata só da avaliação dos professores, trata-se de muito mais do que isso, nomeadamente a gestão escolar, a transferência para as autarquias locais de competências do ministério da Educação, o novo estatuto dos alunos, o ensino especial, as escolas de músicas e artes, e nunca esquecendo o ECD... tudo junto só com uma finalidade meramente economicista