sexta-feira, janeiro 18, 2008

Comunicado Educação - JSD Nacional

JSD chumba Ministra da Educação

Segundo o jornal Publico do dia 10.01.2007, o Ministério da Educação faz uma “autoavaliação positiva da sua actuação no ano de 2007”.
Contudo, a verdade é que “este ano foi um dos mais negativos em matéria de educação de que há memória”, afirma Pedro Rodrigues, Presidente da JSD.
Em 2007 registou-se um significativo aumento da insegurança nas escolas portuguesas, como aliás, apontou o Procurador-Geral da Republica, além de se ter verificado uma profunda e preocupante degradação da qualidade do ensino.
Por outro lado, o novo estatuto do aluno significa uma desresponsabilização dos alunos e dos professores e promove o absentismo.
De acordo com Pedro Rodrigues “o Estatuto do Aluno é o reflexo da política laxista do Governo que tem como único propósito mascarar as estatísticas e os indicadores relativos ao insucesso e abandono escolar”.
A melhoria da qualidade do ensino em Portugal não se promove com propaganda ou meras intenções, mas sim com a afirmação de políticas sérias, consistentes e coerentes que visem conferir aos jovens instrumentos efectivos que os preparem para o mercado de trabalho.
A qualidade do ensino não se mede, tal como parece entender este governo, através da maquilhagem dos números e das estatísticas, mas sim através do aumento do rigor, da excelência e da qualidade. Contudo, afirma Pedro Rodrigues que “que os níveis de rigor e a excelência que a ministra impõe ao sistema de educação em Portugal são os mesmos com que este governo tem encarado os problemas do país, ou que o próprio Primeiro-Ministro impôs a si próprio na conclusão da sua licenciatura. Por isso não nos admiramos com a manifestação de satisfação da Ministra”. Adianta ainda que “a avaliação da Ministra não é de todo acompanhada pelos intervenientes no sector. Nem alunos os professores, que este governo elegeu como inimigo, partilham da satisfação do governo”.
Mais uma vez o governo tenta iludir os portugueses através da propaganda.
Mas, os portugueses não se deixam enganar nem esquecem a realidade.
Pelo que, o Ministério da Educação chumbou o ano, sem hipótese de recurso a qualquer plano de recuperação. Chumbou na falta de estratégia. Chumbou na falta de visão. Chumbou na incapacidade de motivar os diferentes agentes educativos. Chumbou na falta de competência para dar um rumo às politicas de educação em Portugal.


A Coordenadora do Ensino Secundário da JSD Nacional

6 comentários:

Anónimo disse...

Abstencionismo??Promove a abstenção?? Ou será, absentismo???
Realmente o ensino vai mal.

Anónimo disse...

Absentismo

Do latim absens, ausente, de ab + esse. Diz-se daquele que não está no local, onde, pela sua função, devia estar. Neste sentido, dizemos, hoje, que é absentista o que falta a uma obrigação.

Não percebo o comentário do Sr Anonimo!

José Carrancudo disse...

Exm.os Senhores,

Recomendamos uma leitura atenta do nosso blog, que vai ao fundo dos problemas do ensino escolar, mostrando aquilo que ninguém quer notar: os próprios princípios fundamentais deste sistema são errados.

O Ministério da Educação na sua santa incompetência teima em ignorar que a razão principal dos problemas do nosso ensino escolar, causadora de todos os outros problemas, é um paradigma viciado, manifestamente destruidor de toda e qualquer aprendizagem, que foi imposto a este sistema pelo mesmo Ministério, quando há 30 anos prescindiu-se de desenvolver as capacidades de memorização dos alunos. Este paradigma absurdo está a ser reforçado nos seus efeitos nefastos pelo método global de ensino de leitura, que deixa mais de metade dos alunos sem capacidade efectiva de ler.

Estes assuntos estão discutidos em mais pormenor no nosso blog, onde igualmente propusemos as medidas que permitem reconstruir o ensino escolar.

Face a estes disparates pedagógicos monumentais, todos os outros factores são claramente secundários. Ora o absentismo é apenas uma consequência natural do desinteresse que foi cultivado nos respectivos alunos pelo seu insucesso escolar sistemático, de um lado, e o laxismo da Escola, que mesmo assim faz estes alunos passar de um ano para outro, do outro lado.

Cumprimentos,
J.C.

Anónimo disse...

O termo utilizado foi o de abstencionismo, e não como deveria ser de absentismo, como tão bem aqui foi defendido pelo comentador que me sucedeu.
Foi um bom comentário, tirado da net, mas que exigia um trabalho prévio,que consistia numa mera leitura do artigo!!
lol

Anónimo disse...

Ah claro que essa leitura teria de ter sido feita antes do utor do artigo a ter corrigido e "postado" como absentismo... por outras palavras o senhor chegou atrasado... entendido?? Senão sempre pode perguntar ao senhor que postou o que é que le tinha escrito antes...

Anónimo disse...

mas que coisa... então e o texto é bom ou mau?

eu gosto!