segunda-feira, setembro 15, 2008

Menos candidaturas, Mais construção

E é assim, paulatinamente que o PCP dirige os destino do Seixal, a perder-se candidaturas, a fazer-se emprestimos de 10 milhões de euros, a imprimir jornais de propaganda a canteiros, chafarizes e rotundas, a inaugurar rotundas com direito a Presidente de Câmara, a Vereador, a Presidente de Junta, e uma banda de musica, e a passar licenciamentos para mais construção, mais betão e menos harmonização territorial.

No Seixal, infelizmente ficamos demasiadamente dependentes de três coisas:
1º de um executivo que têm por designio defender o PCP, em vez de defender a população, e promover a todo o custo as falacias em que o seu Partido vive, sem sequer ter nenhum sentido de sociedade civil e sociedade local.

2º esta é mais recente, e podia estar incluido no primeiro, que é a ineficacia e arrogância de um vereador incompetente que não se demite, quando conseguiu cometer a proeza de não entregar um candidatura que podia corresponder a um financiamento de 6% do orçamento total do munícipio anual.

3º o terceiro é o mais notorio, e por isso ficou para ultimo, que é a crescente betonização do Concelho do Seixal, onde estatisticamente e a olho nú, podemos ver por todo o concelho inumeras habitações á venda sem correspondência por parte da procura e inumeros prédios novos e outros a serem construidos sem correspondência por parte da procura.

Tendo em conta, que a natalidade está a diminuir, os ultimos dados do INH(Instituto Nacional de Habitação) demonstravam que em Portugal se construiam mais casas do que eram necessarias, os juros a aumentarem, os bancos a restringirem os regulamentos para a concessão de créditos e a falta profunda de qualidade de vida que o Seixal vêm apresentado, como é que ainda se vai construindo num Seixal que não é imune a estas variaveis.
No meio disto tudo é preciso fazer duas perguntas?

quando é que se demite o Sr. Vereador Joaquim Santos?

2º quais são os criterios, sabendo que o Seixal tem cerca de 160 mil habitantes, cerca de 1,5% dos habitantes de Portugal, para se continuarem a passar licenças de construção? Qual é o seu objectivo para tanta construção?? É chegar aos 5% da população portuguesa a viver no Seixal? Ou tornar o Seixal, naquilo que se vê nos países da américa latina, com cidades que comportam milhões de habitantes nas condições mais exíguas. São estas as perguntas que tem de ser respondidas.

Ler a reportagem efectuada pelo Jornal Expresso sobre o mercado imobiliario em Lisboa.

Sem comentários: