segunda-feira, agosto 25, 2008

A Historia do Seixal (apagada pelo PCP)

Fez ontem, dia 24 de Agosto, 47 anos desde a inauguração oficial da Siderurgia Nacional, pelo então industrial e empresário António de Sommer Champalimaud. A grande maioria da população do Seixal, data desta fase em que o nosso Concelho servia como casa da grande maioria das empresas nacionais de exportação e a sua expansão demográfica deve-se muito a este facto.

Este foi à época, um dos maiores investimentos de capitais privados, que era detido em 90% pelo Grupo Champalimaud e outros 10% pelo Estado, nomeadamente o Instituto de Conservas de Peixe. Este complexo ocupava uma área de 2 600 000 m2, e distava em linha recta de Lisboa cerca de 8 km, sendo este investimento visto como a pedra de toque no porcesso de industrialização nacional, que agora segundo consta pertence aos espanhois e os holandeses tem uma pequena participação.

Mas isto tudo, para dizer,que grande parte da história recente social e demográfica do Seixal tem como principal catalizador a construção da Siderurgia Nacional, história essa que o PCP, não dá o devido destaque, nem procura ensinar aos jovens do Concelho, nem têm o minímo interesse em partilhar, e por algum complexo anti-democratico procura camuflar.
O que se sabe do Seixal, nos livros de História do Concelho, é apenas a confusão do PCP com o destino do Seixal, mas o Seixal é muito mais do que isso, são pessoas que vieram de todo o lado do país para aqui viver visto que havia mais oportunidades de trabalho, é a baía do Seixal que servia para preparar barcos para as expedições portuguesas, é o próprio nome da Terra, é as freguesias que o compõem, é as quintas que outrora pertenciam aos fidalgos, mas isso ao PCP não interessa expôr, não dá votos, e nem sequer amplifica a sua missão dominadora do Concelho de Abril.

É pena que nos ultimos 30 anos,o Seixal se resuma ao politburo do PCP e a sua insignificante história de canteiros, chafarizes e betão armado, porque eu faço parte da geração siderurgia, e foi esse o motivo que trouxe os meus pais e os pais de tantos outros para o Seixal, e é pena que pouco ou nada se saiba dessa geração no Seixal, é um crime lesa-concelho.


P.S. por curiosidade alguem me sabe dizer porque é que o Fogueteiro se chama Fogueteiro, e a Arrentela, Arrentela?

7 comentários:

Nuno Gonçalo Poças disse...

E, para o PCP, falar nas ocupações de quintas e afins e na sua destruição é tabu. Porque será?

outro disse...

Bom post. Muito bem escrito e fundamentado. Bom regresso de férias

hkt disse...

Respondendo à sua pergunta:
O seu nome provirá eventualmente de “Aventella”, por ser terra varrida por muitos ventos, ou de “Arreentella”, por causa de estar implantada em areais ou ainda, segundo a tradição popular, de “além terra”, desde que foi avistada do rio por pescadores.(fonte:wickipedia).
Outros vocábulos que poderão estar na origem da palavra são: aaRatell, arrantzala (=pescador em basco)...
Quanto ao Fogueteiro(não tenho nenhum fundamento para o afirmar mas, arrisco-me a alvitrar uma hipótese): até aos anos setenta o percurso da procissão de Amora era diferente, incluía uma passagem pelo porto da Raposa ... e nessa altura eram disparados alguns foguetes é possível que de alguma forma o lugar tenha ficado associado aos "foguetes".

Daniel Geraldes disse...

Obrigado pelo esclarecimento, em relação ao nome da Arrentela não fazia a minima ideia da sua origem, mas em relação ao Fogueteiro tinha ouvido uma historia idêntica que constava que tinha existido uma fabricante de foguetes para a zona do Fogueteiro daí o seu nome.

outro disse...

já agora lanço a pergunta:

E paio pires, e as paivas e fernão ferro?

hkt disse...

Relativamente ao Fogueteiro, os foguetes seriam os do Círio de Nª Srª do Cabo, e não da padroeira da Amora (Srª de Monte Sião) uma vez que os peregrinos sa região "saloia" se dirigiam ao Cabo Espichel pelo caminho que hoje é a estrada nacional 378, atravessando a Cruz de Pau, Fernão Ferro...
Quanto à origem de "Paio Pires" /"Fernão Ferro" em ambos os casos têm na sua origem nomes de pessoas (um cavaleiro medieval,no caso de Paio Pires)...

Carla disse...

É isso mesmo, o nome da Aldeia de Paio Pires é em honra do cavaleiro de D. Afonso Henriques: D. Paio Pires (1170). E como já devem saber, "nas nossas praias sempre existiram seixos, de onde veio, possivelmente, o nome Seixal". (in História do Concelho do seixal, Eugénio Silva)

É maravilhosa a história deste nosso concelho.

Cumprimentos
Carla