segunda-feira, abril 14, 2008

Violência nas nossas escolas!


Tal como aconteceu com o famoso caso da escola Carolina Michaelis no Porto, onde ficou evidente a falta de capacidade do actual sistema educativo nacional em lidar com casos de indisciplina latente e que terá sido apenas a ponta de um iceberg de muito maiores dimensões, o Jornal de Noticias de hoje noticia o caso de um gangue feminino que assaltava alunas à portas de escolas do concelho do Seixal. Não sendo, apesar de tudo, dentro do perímetro escolar, é preciso no entanto tirar as devidas conclusões depois de analisado o problema.
A questão relativa aos assaltos dentro e nas imediações das escolas não é nova nem sequer original. Há dezenas de anos que acontece, sendo que os responsáveis políticos e escolares não tiveram ainda capacidade para debelar o fenómeno.
Se dentro das escolas, apenas os órgãos directivos das mesmas Educação poderão fazer alguma coisa, a verdade é que fora das escolas há muitas coisas que se podem e devem ainda fazer.
O programa da “Escola Segura”, pelo menos no concelho do Seixal, parece ser insuficiente para garantir a segurança dos alunos (recorde-se que a segurança é um dos principais deveres do Estado), pelo que urge encontrar soluções para neutralizar este problema.
Neste sentido e face a este problema, a JSD Seixal tem vindo a estudar esta problemática e a discuti-la dentro dos seus órgãos competentes e conta lançar brevemente uma campanha sobre esta temática e em apresentar na próxima Assembleia Municipal ideias e soluções que possam ajudar a fazer face a este problema que é efectivamente real.

4 comentários:

Paulo Edson Cunha disse...

Tema muito pertinente que será tratado (garantidamente) pela JSD do Seixal com bastante oportunidade política, como já nos habituou.

Carla disse...

Infelizmente isto não é novo neste nosso concelho. Não vi a notícia mas ao falarem deste tema fez-me lembrar algo por que passei. Já lá vão 5 anos e sofri (com mais 2 amigas) uma tentativa de assalto por parte de um gangue feminino. Foi no "famoso" tunel que conduz até à Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau, por onde passávamos quando vinhamos da ESMC.
É uma pena não nos sentirmos seguros no nosso próprio país...

Contudo, tenho visto ultimamente muitos carros da polícia aqui no Fanqueiro. Até no domingo de manhã tinha um polícia a passar pela porta da minha casa a pé! Deve ser por viver perto da casa de um certo Sr :o)

com os melhores cumprimentos de uma leitora assídua

maria disse...

Infelizmente é uma realidade com a qual cada vez mais somos obrigados a conviver.
Embora que com este caso da escola no Porto se tenha vindo a ouvir falar mais.
Mas a violência nas escolas não é só entre alunos e professores, a maioria das vezes é entre os próprios alunos.

Durante o ensino secundário pertenci a uma associação de estundantes durante dois anos e é de lamentar que na própria escola, a própria associação de estudantes, ser vandalizada e sabe-se lá por quem.

Mas uma coisa é certa se há violência nas escolas entre os próprios alunos, a culpa de não deve ser só dos professores que não "têm mão" nos meninos, parte também um pouco da educação que é recebida em casa.

É de lembrar também que quando há violência dentro das escolas a policia ou a gnr só podem interferir lá dentro quando chamados pelo conselho directivo da escola, e os proprios agentes de autoriadade por vezes são também eles "gozados" pelos meninos ou meninas que muitas vezes causam os desacatos (mas também temos de nos lembrar que de dia para dia as nossas forças policiais vão perdendo força e poder para manter a ordem, já para não falar dos próprios equipamentos que têmm à sua disposição...).

Em muitos casos de violência entre alunos nas escolas, as resoluções para os problemas são na maioria das vezes resolvidos entre os alunos que causaram os disturbios, os directores de turma e o conselho directivo da escola.

E quando a violência não é dentro das escolas, mas aos portões?!
Quando são feitas esperas entre grupos de alunos de uma determinada escola, vão fazer "esperas" aos portões de outra determinada escola, a um outro grupo de alunos?!
Não é só dentro das escolas que há violência entre alunos, é também fora das escolas, a rivalidade entre alunos de escolas diferentes, que muitas vezes fumenta episódios pouco dignos de serem vistos!

É certo que é necessário tomar medidas para a resolução deste problema, mas continuo a dizer que o principio da resolução parte de casa, dos principios, e da educação que é recebida. Pois a maioria das pessoas sabe que os problemas são resolvidos falando, e não andando à porrada.

Parabéns à JSD SEIXAL! Um optimo post, sobre um assunto que não pode ser só falado quando os media falam neles!

Maria M.M.

hkt disse...

Este é um tema que não pode deixar de "incomodar". O que mais incomoda é a aparente falta de soluções e respostas. Casos como este são quase banais ( e inconsequentes) até ao dia em que se tornam "badalados". Só nesse momento se faz o que poderia ter evitado (meses ou anos antes)tal desfecho... e em muitos casos não é por inactividade da escolas nem da polícia é, por inércia das entidades responsáveis (CPCJ, Tribunais,SS).