domingo, abril 27, 2008

Ainda a Feira do Livro de Amora!

Na semana passada colocámos aqui um post sobre a Feira do Livro de Amora.
Na sequência do post publicado obtivemos um comentário da nossa companheira Luísa Gama que pela sua qualidade transcrevemos infra na sua totalidade:

"Já fui dar um passeio pela feira e até comprei uns livrinhos. A qualidade não é elevada, acho que até é inferior às feiras que foram realizadas nos dois anos anteriores. No entanto, se quiserem comprar obras do Dr. Álvaro Cunhal, ou de outros militantes do PCP aí os munícipes estarão bem servidos. Este ano até as obras completas de Lenine estão à venda, numa edição que é um pouco rara.Faltam editores, faltam livros um pouco mais especializados e se falarmos dos grandes clássicos da literatura são poucos os que aí figuram.Quem quer comparar livros neste concelho vê a sua tarefa um pouco dificultada, nem a livraria Bertrand do Rio Sul é «grande coisa».Quanto ao fórum, o espaço da biblioteca é bom, embora de vez em quando chova lá dentro, contudo peca pela aquisição de edições de datas mais recentes, merecia também uma maior especialização e uma melhor rentabilização do espaço. As actividades para as crianças também não são más mas também seria necessário fazer mais sessões de leitura para adultos, abrindo o espaço para a discussão das obras. Algumas destas iniciativas já existem, mas é preciso fazer muito mais. O mesmo poderia ser feito nos pólos de Amora e Corroios. A última vez que visitei o pólo de Amora não gostei do que vi, muito barulho, e o quase total desrespeito pelas regras que todos devem cumprir dentro de uma biblioteca. Porque não tentar que se abra um espaço dentro do fórum para a venda de livros? Também aconselho vivamente a leitura do blog http://oeiras-a-ler.blogspot.com/, sem dúvida algo que o fórum cultural poderia «copiar» e que poderia dar mais ênfase à cultura no nosso concelho. É preciso que a câmara faça mais, mas também é preciso que as pessoas queiram mais, que exijam mais da câmara, daquilo que o concelho lhes pode oferecer culturalmente. Era óptimo que o Seixal, sendo um grande município da área metropolitana de Lisboa, se tornasse também como uma grande referência na cultura, como uma grande pólo cultural que atrai os seus munícipes mas também outros visitantes. Mas é muito difícil ver grandes iniciativas culturais neste concelho e para além das que são dedicadas ao 25 de Abril o deserto é ainda maior. Não deixo de saudar a iniciativa realizada no passado dia 6 de Abril subordinada ao tema «O Seixal e os Descobrimentos», na Quinta da Fidalga e que foi sobretudo dedicada «aos mais novos». Mas já que a iniciativa foi lançada, muito mais poderia ter sido feito, para além de terem colocado duas pessoas vestidas como os irmãos Gama, que nem sabiam muito bem o que dizer as crianças, nem um folheto existia para uma explicação mais alargada sobre o tema (pelo menos eu não o vi). A feira da quinta também estava engraçada, mas já que era algo dedicado aos descobrimentos não fazia muito sentido estar lá naquele dia. A quinta da fidalga é belíssima, mas precisa de mais muito mais, tanto quanto a câmara precisa de saber o que é a cultura, o que é o turismo e como é que ambos podem interligar-se."

3 comentários:

Daniel Geraldes disse...

Passei este fim-de-semana em Sintra, e estava la uma exposição de arte contemporanea da Fundação Joe Berardo, não tive oportunidade de ver a exposição porque não ia com esse proposito a juntar á minha falta de tempo, mas são iniciativas como estas que poderiam dar dimensão cultural ao Seixal, de realçar que a exposição era gratuita.

Paulo Edson Cunha disse...

já tinha lido este excelente comentário e tinha gostado muito.
Aproveito para vos desafiar a verem o comunicado oficial do Partido Socialista Seixal sobre a última Assembleia Municipal no Blogue "A Revolta das Laranjas"
em http://pauloedsonc.blogspot.com/2008/04/comunicado-do-ps-do-seixal-propsito-da.html

Joana disse...

Eu passei pela feira e não achei assim tão má como a autora, nem tão pouco variada como se tenta pintar, mas sem dúvida que há aspectos a melhorar. É importante não esquecer que, após as fusões de editoras que se deram no ano passado em grande grupos económicos, se tem assistido a recusas de convites para a participação em Feiras do Livro, alegando falta de lucro nesses eventos.


Quanto às obras de Álvaro Cunhal, achei muito bem estarem expostas uma vez que são de excepcional qualidade (vou a meio do I tomo), até porque é raro vê-las disponíveis noutros locais, talvez por algum anticomunismo, talvez por desconhecimento.

Gostei particularmente do tempo dedicado às crianças, bem estruturado, programado, acho que correu bem. Quanto ao "Seixal e os Descobrimentos" talvez fosse necessária melhor preparação para a próxima vez, pois não é o primeiro comentário que ouço falando da falta de preparação.

Mas em sumo, voltando à Feira, gostei bastante e espero voltar a visitá-la para o ano!