sexta-feira, julho 03, 2009

Largados à sorte

Durante estes quatro anos que passaram a JSD e o PSD apresentaram diversas propostas aos órgãos autárquicos com vista a criar melhores condições de vida aos jovens do concelho. Com facilidade, os eleitos da CDU nesses mesmos órgãos as reprovaram, balbuciando sempre desculpas infelizes.
Foi assim que vimos propostas como a criação do Conselho Municipal de Juventude (hoje obrigatório), do Cartão Jovem Municipal, ou outras como o alargamento do horário da Biblioteca Municipal (sendo que a Câmara Municipal ficou de elaborar um estudo para viabilizar esta hipótese, que ainda aguardamos ao fim de largos meses), a comparticipação do passe social a estudantes universitários residentes no concelho ou a atribuição de bolsas de estudo amplamente rejeitadas pela maioria comunista que nos governa no concelho.
Não quero aqui voltar a falar das propostas apresentadas e chumbadas. Fique apenas claro que a JSD e o PSD as apresentaram tendo consciência da sua viabilidade e das mais-valias que podiam trazer a sectores da população.
Temos sido os únicos a apresentar propostas viáveis para os jovens do concelho. Sabemos que, se o Poder Central não quer saber da sua juventude, então o Poder Local deve ocupar o seu espaço de acção. Sabemos que a juventude é um dos grandes motores do progresso e da civilização da sociedade e queremos dar-lhe as melhores condições para que os jovens se sintam parte activa da mesma. Porque sabemos que nós, jovens, somos o futuro. E o futuro e a sua sustentabilidade devem ser uma das grandes linhas de um pensamento político.
Durante quatro anos, a maioria CDU ignorou os jovens, ignorando a oposição que quis colaborar positivamente. O que têm feito os órgãos municipais por ti? Esse silêncio ilustra bem a resposta à questão...

6 comentários:

J.S. Teixeira disse...

Vejam o artigo de opinião escrito no blogue O Flamingo acerca da "tourada" que teve lugar, ontem, na Assembleia da República.

Daniel Geraldes disse...

A única coisa que fazem é uma festa do avante para "alcoolizar" em todos os aspectos os nossos jovens.

Corroios - Terra Nacional disse...

É inadmissivel que uma biblioteca municipal deste cariz, polo central de todas as bibliotecas do municipio, esteja encerrada as segundas feiras, ainda para mais numa fase destas do ano que centenas de jovens tem exames nacionais, e poderiam usufruir da tranquilidade e informação que só uma biblioteca daquela envergadura pode proporcionar, no entanto está vedada aos jovens e a todos os que a uma segunda feira queiram 'exercitar' a sua cultura, é vergonhoso. Quanto aqui ao que o Daniel Geraldes disse, subscrevo completamente, o Avante é a festa da promiscuidade, festeja-se um regime que matou milhões de pessoas no mundo ainda mais que o nazismo, estende-se o tapete vermelho a terroristas como os da FARC que o ano passado foram recebidos com pompa e circunstancia, e ludibria-se e deturpa-se alguma mentes mais susceptiveis como a dos jovens, com drogas e alcool à descrição, aqui está a grande fonte de recruta do PCP

Marlene Pires disse...

Sem dúvida, por cá assiste-se ao abandono dos jovens. O Seixal precisa urgentemente de uma mudança!

Júlio Almas disse...

Quero agradecer a todos os que expressaram a preocupação em relação ao assunto e o tomaram como sério e urgente.

Escrevo pelo facto de achar que muitos de vós não estarão a compreender na totalidade o que referi na carta ao senhor director do Jornal do Seixal.
Preocupa-me o facto de alguns de vós, entenderem este problema como um problema político quando existe um problema muito mais complexo que nos envolve a todos sem excepção.
Vejo, é claro, a responsabilidade dos nossos políticos. Vejo-a neles como a vejo em mim e em todos nós. No entanto compreendo que deleguem nos políticos a responsabilidade de serem por nós responsáveis.
É certo de que os nossos responsáveis políticos regionais, não se apercebem do que tem internamente, mas se não lhe chegar a informação necessária para que actuem em conformidade, nunca saberão que existe algo mais do que parece existir. Pois, eles também lêem os nossos jornais e como todos nós, não se apercebem do que lhes passa mesmo ao lado.
E afirmo o facto de que isto não é exclusivo do nosso concelho. Isto é exclusivo de todos os municípios que constituem no seu todo, o país que temos e as pessoas que temos.
Vi, recentemente, a notícia de que a nossa grande pianista Maria João Pires está prestes a renunciar à nacionalidade portuguesa. Vi apontado o dedo às constantes politicas nacionais em relação à cultura. É verdade que têm a sua quota-parte de culpa.
Mas serão eles os únicos culpados de tão terrível situação?
Não posso expressar a minha opinião objectiva sobre tal artista pois declaro-me um apaixonado de Chopin e, consequentemente, da Maria João Pires. Mas quantos de vós podem dizer que não estão a ver a apresentação em directo do nosso Cristiano, em detrimento da notícia secundaríssima da nossa pianista?
O que quis dizer e reforço, é que é de todos nós a responsabilidade de preservar e aliciar o esforço cultural dos nossos munícipes.
São os tablóides locais, os meios primários que possuem as ferramentas para o fazer. Se me indigno por me expressar contra o facto de um director de um jornal regional, não fazer esforços de construtivismo noticioso cultural, é porque vejo neles o primeiro travão ao desenvolvimento cultural neste município.
No entanto, fico contente pelo facto de todos os que expressaram a sua opinião, de o fazerem de forma construtiva. Mesmo que o tenham feito erradamente, demonstram a preocupação de que temos todos de fazer mais e melhor.
Fico profundamente triste por o senhor director do Jornal do Seixal expressar-se contra mim de forma tão destrutiva e incompreensível. De ter pensado que falo em meu nome e estivesse à espera que o senhor me colocasse na 3ª página do seu jornal com fins promocionais e pessoais.
Como já devem ter percebido, não necessito, agora, de nenhum empurrão dos meus munícipes, dos meus jornais ou dos meus políticos. Mas existem muitos jovens, como o nosso jovem designer, que necessitam do nosso apoio para construírem uma brilhante e merecida carreira, seja qual for a área dos seus trabalhos.
Quero, aproveitar, para comunicar a todos vós que de todos os meios de comunicação social a quem enviei a Carta Aberta, só alguns dos blogues municipais se interessaram pela Carta e a publicaram. De todos os jornais e rádios municipais e regionais a quem enviei a carta, só um é que me respondeu.
Peço desculpas pelo facto de ter referido o Boletim Municipal na Carta e de este ter sido o único jornal a quem me esqueci de enviar a Carta. Ao Boletim Municipal, as minhas desculpas.

Igor disse...

Vamos a ver em setembro quem fica com as camaras comunas, e quem vai fazer governo com o PS, O BE VAI GANHAR, VIVA O BE!!!!11

É metê-los dali para fora!!