sábado, dezembro 27, 2008

O prometido é devido

Como aqui prometi, coloco ao vosso dispor o excerto da Acta n.º 4/2008 da Assembleia de Freguesia de Amora.
«Nuno Poças (PSD) teve a palavra para fazer uma pequena reflexão sobre o aumento da criminalidade em Portugal. (...) Há algum tempo atrás a bancada do PSD apresentou uma proposta na Assembleia Municipal que visava a criação de uma Polícia Municipal. Esta é uma polícia com carácter meramente administrativo. A sua criação teria a vantagem de retirar à PSP as tarefas administrativas dando-lhe assim mais disponibilidade para assegurar a segurança dos cidadãos. Pelo exposto gostaria de entender o porquê desta proposta ter sido recusada.»
«Fernando Ferreira (CDU) começou por dizer que os eleitos da CDU sabem bem o que é a Polícia Municipal, não são é a favor da mesma.»
Apenas isto. A proposta foi recusada. Porquê? Porque não concordam com ela. Mas porquê? Porque não.
A pedra é dura. Mas a água vai continuar a bater até furar.

2 comentários:

zé maria disse...

Prestem lá atenção à vossa orientação distrital!
Leiam a mensagem transmitida pelo OUTDOOR, colocado na Cruz de Pau, por exemplo.
E deixem-se de tretas com a Polícia Municipal.
Não resolve o problema da criminalidade.
ACORDEM!!!

PS - Já agora, o que fizeram aos 22 comentários que até às 11.30 horas de hoje, 30dez08, estavam aqui publicados?

Pedro Silva L. disse...

Mais comentários censurados? Essa é boa. Vai para a lista de trapalhadas que têm de explicar aos visitantes, como aquelas votações que foram sucessivamente adiadas até o PSD ganhar.

Quanto à polícia municipal: acho que já perceberam que se estão todos a borrifar na vossa cara, até a CDU. A criminalidade não se combate com polícia, combate-se com políticas integradas, nas quais a polícia é apenas uma parte.

Acham que colocar mais meia dúzia de gajos na rua vai resolver o problema da criminalidade? Acordem. Não há milgares, nem poções milagrosas que resolvam o problema de um dia para o outro, nem de um ano para o outro. É preciso um plano, uma política do Governo, integrada e planeada por este, que inflizmente se está borrifando para o problema.

Além disso, já deram uma vista de olhos ao vosso orçamento para a suposta Polícia Municipal? Acham que os polícias trabalham de graça? Se calhar estão a pensar tê-los a recibos verdes, é uma hipótese plausível, vinda de quem vem. Ao menos façam um orçamento realista.

Mas sem ilusões... ninguém concorda convosco nesse tema. Duvido até que todos vocês concordem com essa ideia deslocada e mal pensada que mais parece caída do céu aos trambolhões.